Fechar
Buscar no Site

Viagra pode ajudar na prevenção e tratamento de Alzheimer, diz estudo

Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genômica da Clínica Cleveland, determinou que o sildenafil está associado a uma redução de 69% na incidência da doença de Alzheimer — Foto: Cleveland Clinic

Um estudo publicado, nessa segunda-feira, 6, pela “Nature Aging”, analisou milhões de dados sobre o uso do sildenafil, substância do Viagra, e sugere que o medicamento tem potencial para ser tratado como uma “droga candidata” a atuar na prevenção e o tratamento do Alzheimer.
A pesquisa foi conduzida pela Clínica Cleveland, de Ohio, nos Estados Unidos. Além do tratamento para a disfunção erétil, o sildenafil também é aprovado como uma terapia contra a hipertensão pulmonar.

Segundo os resultados do estudo americano, liderado pelo pesquisador Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genômica da Clínica Cleveland Clinic, o medicamento está associado a uma redução de 69% na incidência do Alzheimer após um acompanhamento de 6 anos, em comparação com pessoas que não utilizavam o remédio.
Já em comparação com pacientes que eram tratados com o losartan, com prescrição médica para hipertensão arterial, as pessoas que recebiam a substância do Viagra apresentaram um risco 55% menor de desenvolver o Alzheimer.
O mesmo foi constatado com outros remédios: na comparação entre a metformina e o sildenafil, o risco de desenvolver a doença foi 63% menor para quem utilizava a substância do Viagra; já com o diltiazem, utilizado contra pressão alta, o índice foi 65% menor.

Os cientistas utilizaram um modelo computacional para cruzar dados de drogas aprovadas pela FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, e potenciais tratamentos para o Alzheimer. Eles utilizaram um banco de dados com mais de 7 milhões de pacientes, mas reiteram que são necessários estudos clínicos para comprovar se de fato o sildenafil é eficaz contra a doença neurodegenerativa.
“Este artigo é um exemplo de uma crescente área de pesquisa da medicina de precisão, em que o big data é a chave para conectar pontos entre medicamentos existentes e doenças complexas como o Alzheimer”, disse Jean Yuan, um dos diretores do Instituto Nacional do Envelhecimento, parte do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), que financiou a pesquisa.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias