Fechar
Buscar no Site

‘Rádio peão’ do ex-império inventa encontro de Flávio Dino com Sarney

Durante cinco décadas o Maranhão viveu sob o domínio de um grupo especializado, dentre muitas outras coisas, em criar clima para alcançar seus objetivos inconfessáveis. Uma das táticas era utilizar as pessoas certas, escolhidas a dedo, para espalhar uma inverdade, fecundada, geralmente, na cabeça do seu comandante maior, o ex-presidente José Sarney. Sarney ensinou bem a lição, e logo o grupo todo também se especializou na prática.

A ‘notícia falsa’, hoje globalmente tratada de ‘fake news’, iniciava pela conhecida ‘rádio peão’, que tinha seu ‘transmissor’ instalado não só no clã como entre integrantes do alto comando do grupo. Dali, a inverdade chegava aos veículos de comunicação, e quando a ‘vítima da vez’ menos esperava o estrago já estava feito.

A velha prática, que se pensava ‘morta’, voltou-se nas últimas semanas contra o governador Flávio Dino. Por enquanto a mentira ainda está sendo maturada, em primeiro estágio, aquele em que um integrante da família ou do grupo se encarrega de escolher as pessoas certas para iniciar a operação.

Como a ‘notícia falsa’ ainda não chegou em blogs, jornais, emissoras de rádio ou coisa que o valha, O INFORMANTE traz em primeira mão. O fake news é que Flávio Dino teve um encontro com Sarney logo depois de deixar a carceragem da Polícia Federal, onde conversou durante 50 minutos com o ex-presidente Lula, preso pela Lava Jato.

Como a ‘pessoa certa’ foi utilizada para fazer a inverdade chegar a uma pessoa de muita credibilidade, O INFORMANTE tratou logo de tirar a limpo, procurando uma fonte fidedigna do governo, que foi taxativa: “Não houve esse encontro. Mas no momento atual o Flávio não vê nenhum problema em ter. Pode ser com FHC, com Lula, com Dilma… são ex-presidentes da República. Garantimos, porém, que se houver tal encontro, será evidentemente público e publicado, jamais secreto”.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias