Fechar
Buscar no Site

Quem trabalhou entre 1971 e 1988 já pode sacar o PIS/Pasep na Caixa

Foto: Reprodução

Quem trabalhou entre 1971 e 1988 com carteira assinada em empresas privadas ou em atividades no serviço público devem ficar atentos ao comunicado emitido pela Caixa Econômica Federal. O banco informou que está disponível para saque cerca de R$ 22,8 bilhões referentes às cotas do PIS/Pasep.

Para efetuar o saque o beneficiário ou herdeiro (caso o titular tenha falecido) deve se dirigir a uma agência munido da documentação necessária. Os valores das cotas do PIS/Pasep poderão ser sacados até 2025. Depois deste período, caso não ocorra o resgate, a titularidade do dinheiro passará a ser da União e o dinheiro não poderá mais ser sacado pelos beneficiários.

Os recursos das cotas do PIS/Pasep são destinados a um grupo específico de trabalhadores que, neste caso, exerceram atividades com carteira assinada entre 1971 e 1988. Aqueles que começaram a contribuir após o dia 4 de outubro de 1988 não têm direito à parte do montante.

Isso acontece em razão da Constituição de 1988, que passou a direcionar as contribuições dos trabalhadores para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O órgão é responsável pelos pagamentos do PIS/Pasep e seguro-desemprego.

Para facilitar o saque do dinheiro, o cidadão pode utilizar seu Cartão Cidadão e senha. Com ele, é possível realizar a retirada dos recursos diretamente no autoatendimento das agências da Caixa, casas lotéricas ou em algum correspondente credenciado Caixa Aqui. Isso vale para saques no valor de até R$ 3 mil.

No caso daqueles que não possuem o Cartão Cidadão ou conta ativa na Caixa para receber os valores acima de R$ 3 mil, o resgate da quantia pode ser feito em qualquer agência física da Caixa. Para isso, basta apresentar um documento oficial com foto para a identificação.

Por último, em caso de falecimento do beneficiário, os herdeiros podem efetuar o saque das cotas do PIS/Pasep. No entanto, o procedimento exige que o dependente legal se apresente em alguma agência da estatal com a documentação que comprova a morte do trabalhador (titular) e o seu vínculo direto como herdeiro.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias