Fechar
Buscar no Site

Prefeito de Codó diz que vai recorrer da cassação de seu mandato na Justiça Eleitoral

Francisco Nagib, prefeito de Codó

Em entrevista a uma emissora de rádio, o prefeito de Codó, Francisco Nagib, falou na manhã desta segunda-feira (23) sobre a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA), que o condenou e o tornou inelegível pelo período de oito anos.

Nagib disse que vai recorrer da decisão e fará isso juntamente com o médico Dr. Zé Francisco, que também foi condenado pelo TRE-MA.

“Nós vamos recorrer, o Dr. Zé Francisco também vai recorrer. No caso a gente tem que recorrer junto, porque se ele se livrar eu também me livro, se eu me livrar ele também se livra. Então a gente precisa tá bem alinhado (…)”, disse.

O prefeito de Codó também revelou que caso não consiga reverter sua situação, estará mesmo fora das próximas eleições. No entanto, garantiu que não está preocupado com essa possibilidade.

“Se a gente não conseguir se livrar dessa ação realmente nós não poderemos ser candidato em 2020. Mas isso não me preocupa, não me preocupada Alberto porque eu sou grupo. Eu sou fruto de um projeto de um grupo político (…)”, explicou.

A CONDENAÇÃO

O prefeito de Codó, Francisco Nagib (PDT), e o médico Dr. Zé Francisco (PT) foram condenados e declarados inelegíveis por oito anos pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA). Os dois são acusados de compra de votos e abuso de poder econômico.

A punição de Francisco Nagib e Zé Francisco é referente às eleições de 2012. Na época, o atual prefeito de Codó era filiado ao PR e disputou sua primeira eleição ao lado do médico codoense, então aliado de campanha.

A dupla já havia sido condenada em primeiro grau. Eles recorreram ao TRE, que decidiu por unanimidade manter a decisão inicial, 7 votos a 0.

A decisão do TER-MA foi tomada após o pai de Francisco Nagib, o empresário Francisco Carlos de Oliveira, prometer pagar um 14º salário aos empregados da FC Oliveira.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias