Fechar
Buscar no Site

Mulher que defendeu agressor de advogada tem cargo na prefeitura de Pinheiro

Lúcio André, o agressor, ainda está foragido. (Foto: Reprodução)

Uma mulher identificada como Cristine Ferreira de Sousa – que postou na internet na semana passada ser a “verdadeira esposa” de Lúcio André Silva Gomes, 37 anos, acusado de agredir a ex-mulher, a advogada Ludmila Rosa Ribeiro da Silva, 27 – está relacionada na folha de pagamento da prefeitura de Pinheiro. Segundo foi publicado no portal da Transparência da prefeitura (depois retirado do ar), ela exerce o cargo de secretária adjunta de Administração, Planejamento e Finanças, cujo titular é Magno Luís Mendes Silva. O salário de Cristine Ferreira é de R$ 10.400.

No texto postado na internet, Cristine defende Lúcio André – irmão do prefeito de Pinheiro, João Luciano Silva Soares, o Luciano Genésio (Avante) –, classificando-o como “um marido carinhoso e um pai exemplar”. Quanto a Ludmila (espancada por Lúcio André na noite de 12 de outubro), Cristine afirma que ela possui “mente e caráter doentios” e que “vem usando a agressão que sofreu para autopromoção e vingança”.

O advogado de Ludmila Ribeiro, Thiago Viana, disse que vai entrar na Justiça contra Cristine, por meio de ações cíveis e penais e também com pedido de medidas protetivas.

O prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio, igualmente será acionado pelo advogado, por nepotismo, já que Cristine admitiu publicamente que é cunhada do prefeito. Outros parentes de Luciano Genésio também têm cargos no executivo municipal, como uma irmã, a mãe e o sogro (pai de Thaisa de Aguiar Hortegal, mulher do prefeito).

Com duas prisões preventivas decretadas pela Justiça – uma em São Luís e outra em Pinheiro –, Lúcio André Silva Gomes está foragido desde o dia 12, quando chegou a ser preso e a prestar depoimento ao delegado Válber Braga (plantão do Cohatrac), mas foi liberado após pagar fiança de R$ 4.685.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias