Fechar
Buscar no Site

MST repudia acusações e exige apuração da origem do fogo

 

Em nota emitida, nesta segunda-feira, 5, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no Maranhão, repudiou o que considerou “acusação caluniosa”, de responsabilizá-lo pela queima de pilhas de eucalipto cortado pela empresa Viena Siderúrgica.
Na nota, o movimento “denuncia toda forma de criminalização da sua luta e exige que seja apurada a origem do fogo”.

A seguir, a íntegra da nota do MST-MA

Nota de repúdio contra qualquer tipo de criminalização da luta do MST e violência no campo

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado do Maranhão repudia a acusação caluniosa, que o responsabiliza pela queima de pilhas de eucalipto, cortados pela empresa Viena Siderúrgica.

Trata-se de uma empresa que mantém permanentemente segurança armada, ameaçando as famílias moradoras no acampamento Marielle Franco.

O acampamento Marielle Franco surgiu a partir da organização de famílias da região, para reinvindicar a criação do assentamento numa área grilada pela empresa Viena Siderúrgica que pertence a gleba pública.

O acampamento Marielle Franco é uma comunidade com vida e produção no campo. Possui Escola, igrejas, associação, campo de futebol possibilitando espaços de cultura e lazer para as famílias.

A comunidade é referencia na produção e comercialização de alimentos, contribuiu para a a reativação do mercado municipal de Itinga do Maranhão.

No dia 3 de setembro, houve uma atividade cívica na comunidade, com a participação da secretaria de educação do município de Itinga do Maranhão, lideranças políticas e representantes das escolas do campo da região.

Após essa atividade, milicianos armados, que se identificam como policiais, entraram no acampamento para tentar reter ferramentas de trabalhos e motos, motivo que levou os acampados a se organizarem para retirada dos milicianos do local.

Após este episódio, a empresa Viena Siderúrgica ameaça entrar de forma violenta para derrubar as moradias de aproximadamente 150 famílias que moram na comunidade.

O MST denuncia toda forma de criminalização da sua luta e exige que seja apurada a origem do fogo.

Para nós é evidente que está calúnia passa por uma tentativa de efetivar qualquer tipo de ataque contra as famílias, a fim de despejar-las de uma área que encontra-se num processo jurídico em andamento e o qual evidência fortes indícios de grilagem, por parte da empresa.

O MST denuncia toda forma de violência no campo contra trabalhadores que lutam para garantir seu direito à terra e reafirmamos a necessidade de efetivar as políticas de Reforma Agraria sucateadas pelo governo atual.

Lutar, construir Reforma Agraria Popular!!!!

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias