Fechar
Buscar no Site

Moro usará modelo da Lava Jato para combater crime organizado

Sérgio Moro: modelo Lava Jato no ministério

O juiz federal Sergio Moro disse nessa terça-feira (6) que atuará no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a partir de 2019, utilizando o modelo da Operação Lava Jato para combater o crime organizado e que vai trabalhar sem “perseguição política”. Moro afirmou ainda que recebeu a sondagem para participar do governo Bolsonaro em 23 de outubro, antes do segundo turno.

O que Moro disse na entrevista:

·         Lava Jato será modelo contra corrupção e crime organizado

·         Integrantes da Lava Jato são considerados para equipe

·         Recebeu sondagem para ser ministro em 23 de outubro

·         Disse que não pode se pautar por ‘álibi falso’ de perseguição

·         Caso Marielle tem que ser solucionado

·         Não pretende criminalizar manifestações sociais

·         Disse ser a favor de reduzir a maioridade penal para crimes graves

·         Quer aprovar parte das ‘dez medidas contra a corrupção’ do Ministério Público

·         Quer investir em tecnologia para elucidar crimes

·         Discutir possível ida ao STF só em um contexto futuro, quando houver vagas

Durante mais de uma hora e trinta minutos, em Curitiba, Moro concedeu a primeira entrevista coletiva desde 2014, quando assumiu a operação. Antes de os repórteres começarem as perguntas, o juiz fez um histórico da operação e disse ter aceitado o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para implantar no governo federal uma “forte agenda anticorrupção” e “contra o crime organizado”.

Atuação no ministério segundo a Lava Jato
Moro afirmou ter aceitado o ministério para implantar “uma forte agenda anticorrupção” e “contra o crime organizado”. Segundo ele, a ideia é replicar no ministério as forças-tarefas adotadas na Operação Lava Jato. Ele cita como exemplo a atuação do FBI no combate às máfias em Nova York.

Sem dar detalhes, Moro afirmou que apresentará uma série de propostas de combate ao crime organizado. A ideia, diz, é resgatar parte das “dez medidas contra a corrupção”, proposta encabeçada pelo Ministério Público Federal.

Entre as propostas está a possibilidade de os procuradores negociarem a pena (“plea bargain”), o que, afirma Moro, ajudaria a aliviar a Justiça, e aumentar a proteção de denunciantes anônimos, entre outras.

“Na minha perspectiva, na minha visão, eu sigo pra atuar numa função técnica, pra fazer um trabalho técnico de um juiz a cargo desse ministério específico. Não tenho nenhuma pretensão de concorrer em qualquer momento da minha vida a cargos eleitorais, a subir em palanque”, disse Moro.

Convite de Paulo Guedes
O juiz afirmou ter sido procurado em 23 de outubro por Paulo Guedes (futuro ministro da Fazenda). Segundo o relato, o encontro ocorreu depois da retirada do sigilo da delação de Palocci.

No encontro, antes do segundo turno das eleições presidenciais, ele foi sondado sobre uma participação no governo. Moro contou que em 1º de novembro se encontrou com Bolsonaro. Segundo Moro, não foram estabelecidas condições para aceitação do convite.

Integrantes do ministério
Moro disse que pretende chamar nomes que trabalham ou trabalharam na Operação Lava Jato e substituir cargos de comissão por cargos concursados.

“Pretendo chamar ao ministério pessoas absolutamente qualificadas e, sim, nomes que trabalharam na Operação Lava Jato, tanto por terem sido testados por sua eficiência, quanto por sua integridade. As indicações virão a seu tempo”.

Perseguição política – “Não existe a menor chance de utilização do ministério ou da polícia para perseguição política. Não foi feito isso durante a Operação Lava Jato. As pessoas foram condenadas com base em crime de corrupção, de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Com base em provas robustas e não por suas opiniões políticas. Não vai ser no ministério que eu vou começar a realizar isso”, afirmou Moro.
Sobre o processo contra o ex-presidente Lula, ele disse que a condenação à prisão não teve nenhuma relação com as eleições. “O que existe é um crime que foi descoberto, investigado e provado e as cortes apenas cumpriram a lei. Não posso pautar minha vida num álibi falso de perseguição política”.

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias