Fechar
Buscar no Site

Ministro da Defesa do governo Bolsonaro ataca presidente do TSE

O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, disparou contra o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, segundo o qual os militares foram orientados a atacar o sistema eleitoral brasileiro.

Em nota, o general disse:

“Afirmar que as Forças Armadas foram orientadas a atacar o sistema eleitoral, ainda mais sem a apresentação de qualquer prova ou evidência de quem orientou ou como isso aconteceu, é irresponsável e constitui-se em ofensa grave a essas instituições nacionais permanentes do Estado brasileiro. Além disso, afeta a ética, a harmonia e o respeito entre as instituições”, disse o ministro.

Barroso, na verdade, citou algumas provas, como o expurgo de todos os generais que se opuseram ao discurso golpista e os tanques da Marinha que desfilaram naquela fanfarronada do voto impresso:

“Um desfile de tanques é um episódio com intenção intimidatória. Ataques totalmente infundados e fraudulentos ao processo eleitoral (…). Não se deve passar despercebido que militares profissionais admirados e respeitadores da Constituição foram afastados, como o general Santos Cruz, general Maynard Santa Rosa, o próprio general Fernando Azevedo. Os três comandantes, todos, foram afastados. Não é comum isso, nunca tinha acontecido.”

Apesar disso, porém, Barroso poupou a caserna, acrescentando:

“Tenho a firme expectativa de que as Forças Armadas não se deixem seduzir por esse esforço de jogá-las nesse universo indesejável para as instituições de Estado, que é o universo da fogueira das paixões políticas. E, até agora, o profissionalismo e o respeito à Constituição têm prevalecido.”

Bem, no general Paulo Sérgio, a paixão bolsonarista acabou prevalecendo. (Diogo Mainardi – O Antagonista)

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias