Fechar
Buscar no Site

Depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro durou 2h10

Foto: Reprodução

O interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato terminou há pouco, depois de 2h10, na sede da Justiça Federal, em Curitiba. Lula começou a prestar depoimento por volta das 14h15 desta quarta-feira (13), na 13ª Vara Federal de Curitiba. Foi a segunda vez que o ex-presidente falou ao juiz Sérgio Moro, na condição de réu em um processo da Operação Lava Jato.

Houve bloqueio em frente ao prédio da Justiça Federal curitibana. O primeiro a questionar Lula foi Sérgio Moro, vindo a seguir o Ministério Público Federal e os advogados de defesa.

Moro deve ouvir, ainda hoje, Branislav Kontic, ex-assessor do ex-ministro Antônio Palocci.

Segundo depoimento – Esta é a segunda vez que Lula presta depoimento na condição de réu em um processo da Lava Jato conduzido por Moro. No primeiro caso, ele foi acusado de receber R$ 3,7 milhões em propina, de forma dissimulada, da empreiteira OAS. Em troca, ela seria beneficiada em contratos com a Petrobras. O ex-presidente acabou condenado naquela ação penal a nove anos e meio de prisão.

Dessa vez, a acusação é sobre um suposto pagamento de propina por parte da construtora Odebrecht. Segundo a denúncia, a empresa comprou um terreno para a construção de uma nova sede para o Instituto Lula. A empreiteira também teria comprado um apartamento vizinho ao que o ex-presidente mora, em São Bernardo do Campo. O imóvel é alugado desde 2002 e abriga, principalmente, os seguranças que fazem a escolta de Lula.

Entenda a denúncia

Segundo o MPF, os dois imóveis fazem parte de um total de R$ 75 milhões em propinas que foram pagas pela Odebrecht a funcionários da Petrobras e políticos, após a empreiteira firmar oito contratos com a estatal. De acordo com a denúncia, a parte de Lula foi repassada com a intermediação do ex-ministro Antônio Palocci e do assessor dele, Branislav Kontic. (G1 – Curitiba)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias