Fechar
Buscar no Site

Jerry critica “campanha” de Felipe Mussalém contra redução de impostos para empresários

Secretário estadual de Comunicação Social e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, durante entrevista à Rádio 1290 Nova Timbira. (Foto: Reprodução)

Para o secretário estadual de Comunicação e Assuntos Políticos e deputado federal eleito, Márcio Jerry (PCdoB) “é um absurdo” que o presidente da Associação Comercial do Maranhão (ACM), Felipe Mussalém faça campanha contra a redução de ICMS para micro e pequenas empresas, prevista no Pacote Anticrise anunciado pelo governo do Maranhão.

Durante entrevista ao programa Ponto & Vírgula, na rádio Difusora FM, Jerry condenou a postura de Mussalém. É que o presidente da ACM usou as redes sociais para criticar o Projeto de Lei e convocar empresários maranhenses para tentar derrubar o pacote, que está sendo votado nesta quarta-feira (5), na Assembleia Legislativa.

“Como se explica que a redução da carga tributária para 100 mil micro e pequenas empresas seja criticada pelo presidente da Associação Comercial? Um absurdo, uma coisa que não tem a menor lógica, infelizmente”, lamentou Jerry.

Para Jerry, Felipe Mussalém age “na contramão daquilo que deveria representar”. Ele acredita que a postura do presidente da Associação Comercial pode ter sido movida “pelo animus político”.

Pacote interessa aos empresários

O secretário avalia que o pacote é essencial para manter a economia e atividade comercial do Maranhão saudável “sem sucumbir aos efeitos da crise nacional”, e que as medidas são de interesse de todo o povo do estado “inclusive aos representados pela Associação Comercial do Maranhão”.

“O presidente da Associação Comercial deveria fazer um exame acurado, realista da situação”, recomendou Márcio Jerry.

Mussalém foi visto hoje na sessão que vota o Projeto de Lei conversando durante bom tempo com o deputado estadual Adriano Sarney (PV), um dos maiores oposicionistas do atual governo.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias