Fechar
Buscar no Site

Haddad preocupado com declaração de Delfim de que PT traiu Ciro e viabilizou vitória de Bolsonaro

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT)

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, candidato derrotado do PT em 2018, está preocupado com a repercussão que teve a afirmação do ex-ministro Delfim Netto de que o PT traiu Ciro Gomes, viabilizando a vitória de Bolsonaro. A informação é do jornalista Merval Pereira, do jornal O Globo.
Em artigo – “Por conta própria” -, publicado nesta sexta-feira, 24, na edição impressa do matutino carioca, Merval Pereira mostra a preocupação de Haddad com a repercussão da fala de Delfim e os esclarecimentos do ex-candidato petista a presidente da República.

“Me dou bem com o Delfim, é um interlocutor antigo, mas ele usou uma palavra que não faz o menor sentido. Nunca houve nenhum acordo com o Ciro para ser traído”.
Haddad admite que tentou uma aproximação com o PDT, e até que propôs que Ciro aceitasse ser vice de Lula para, sendo o ex-presidente impedido de se candidatar pela Justiça Eleitoral, assumir a cabeça de chapa. Mas tudo em nome pessoal, sem o aval do PT. “Houve uma aproximação, até inadvertidamente, pois não tinha autorização do PT, me reuni com o Ciro na casa do Chalita (Gabriel Chalita, ex-secretário de Educação de Haddad em São Paulo) para conversar, para saber o que ele estava pensando”. No jantar, segundo relato de Haddad, Ciro dava como certo que Lula não teria alternativa, e falou, inclusive, que o PT teria que fazer acordo com ele. A certa altura, diz Haddad, o pedetista chegou a dizer: “Tenho tanto respeito por você, que, numa chapa nossa, nem importa quem vai estar na cabe- ça.” “Claro que ele falou isso por diplomacia. Eu não sou bobo. O Chalita depois me chamou atenção para o gesto que o Ciro havia feito”. Haddad disse na ocasião que respeitava muito Ciro, e que ia tentar fazer essa aproximação com o PDT. “Tentei manter as pontes. Tentei aproximá-lo e o Lupi (Carlos Lupi, presidente do PDT) do Lula, eles estavam muito distantes naquela ocasião”, recorda-se Haddad. Quando aconteceu a condenação de Lula, pouco depois desse encontro, Haddad diz que ligou para Lupi dizendo que Lula estava ressentido, pois não fizera nenhuma ligação para ele. “A meu pedido”, relata Haddad, “ele foi fazer uma visita pessoal ao Lula no Instituto”. A reunião com Ciro no escritório do ex-ministro Delfim Netto “não era para ser uma reunião política, mas para discutir projetos de desenvolvimento”, alega Haddad, que disse ter aceitado o convite de Bresser porque era o coordenador da área econômica do PT. ‘Houve uma aproximação, até inadvertidamente, pois não tinha autorização do PT’, diz Haddad sobre possível chapa com Ciro “Tanto que de petista só estava eu”. “Apesar dos gestos que eu pessoalmente tinha feito de aproximação”, argumenta Haddad, “não houve nenhuma tentativa de acordo para valer”. Segundo relato do jornalista Mário Sérgio Conti, na “Fo- lha de S.Paulo”, que estava presente na reunião, tanto Haddad quanto Ciro Gomes “acham possível que o PDT e o PT formem uma chapa conjunta já para o primeiro turno, com Haddad como vice”.
Haddad admite que teve uma conversa com Mangabeira Unger, professor de Harvard e ex-ministro dos governos Lula e Dilma, na presença de Carlos Sadi, professor da UFF e principal assessor do Mangabeira no Brasil, que fez uma tese sobre ele orientado por Haddad. “Expliquei ao Mangabeira que seria muito difícil convencer Lula a desistir da candidatura, porque ele tinha a expectativa de que a ONU se manifestasse, e os advogados dele insistiam que havia possibilidades jurídicas, e ele estava com essa ideia fixa de que conseguiria viabilizar sua candidatura”. Mangabeira argumentou que a esquerda corria um risco enorme de perder, e eu fiz a proposta, alega Haddad, avisando que era a título pessoal: “O Ciro aceitaria ser vice na chapa do Lula para, em caso de impedimento, aí sim assumir a cabeça de chapa?” Mangabeira disse que não aceitaria, nem ele achava que deveria aceitar. Fernando Haddad diz que não desistiu de manter as pontes, e quando Lula estava para ser preso, ligou para seus amigos do PDT e falou: “Não vem ninguém do PDT aqui em São Bernardo?” (No Sindicato dos Metalúrgicos, onde Lula ficou até ser levado para a cadeia pela Polícia Federal). Haddad explica que estava pedindo “um gesto para aplainar o terreno, para ver se a gente conformava uma situação de campo (da esquerda), que defendo desde 2016”. Ele diz que desde a vitória de Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos estava convencido de que a extrema direita poderia estar no segundo turno no Brasil, e que era preciso que o “campo progressista” se unisse. Quando pergunto se ele considerava na ocasião que uma chapa Ciro-Haddad poderia derrotar Bolsonaro, o ex-prefeito de São Paulo hesita: “Não sei. A onda da extrema direita era muito forte”.

(Merval Pereira)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias