Fechar
Buscar no Site

Equatorial Maranhão esclarece sobre multa aplicada pelo Procon/MA

Nesta semana o Procon/MA multou a Equatorial Maranhão, segundo o órgão, porque a empresa teria descumprido uma lei estadual e determinação do instituto que proíbe a interrupção do fornecimento de energia elétrica, pela falta de pagamento da fatura, durante o período de vigência do Plano de Contingência do Novo Coronavírus no Maranhão. Sobre o assunto, por meio de sua assessoria de comunicação, a Equatorial emitiu uma nota de esclarecimento.

Nota de Esclarecimento

Desde o início da pandemia em meados de março de 2020, a Equatorial Maranhão adotou medidas para garantir a continuidade do fornecimento de energia e a saúde dos colaboradores e da população do Maranhão.

Reforçamos também as parcerias com os governos municipais e do estado para aumentar o número de consumidores classificados na Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE). Esses consumidores recebem descontos na conta de energia que pode chegar até 65%. Atualmente já são mais de 870 mil famílias beneficiadas pelo programa no Estado do Maranhão.

Com o retorno das atividades econômicas no Estado, retomamos o processo de cobrança, respeitando a legislação federal que rege o serviço de distribuição de energia elétrica.

Vale informar também que a Equatorial Maranhão ampliou as facilidades para pagamento da fatura de energia elétrica e adotou diversas medidas para promover a negociação de dívidas, sendo elas:

•         Negociação/parcelamento através do Site www.equatorialenergia.com.br

•         Pagamento com cartão de crédito em até 12 vezes pelo site www.equatorialenergia.com.br

•         A fatura de energia elétrica agora é boleto e, pode ser paga em qualquer banco ou correspondente bancário.

•         Pagamento Delivery, que pode ser agendado pelo 0800 025 0116.

Quanto à medida do PROCON, a Equatorial tomará as medidas cabíveis que o caso requer.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias