Fechar
Buscar no Site

‘Dino quer ser, desde já, contraponto a Bolsonaro’, analisa jornalista

O governador Flávio Dino: ataques a Bolsonaro para se viabilizar como opção da esquerda para 2022?

O jornalista Rudolfo Lago, diretor da revista IstoÉ, analisou na mais recente edição da publicação, a postura do governador Flávio Dino pós-eleição de Jair Bolsonaro, a quem Dino tem atacado frequentemente nas redes sociais.

Veja trechos do artigo de Lago, intitulado ‘A corrida de Dino’:

“Varrer do mapa político a família Sarney já parece pouco para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Passado o período eleitoral, ele continua usando as redes sociais para atacar duramente o presidente eleito Jair Bolsonaro. Uma tática que alguns de seus aliados têm considerado arriscada. Os governos estaduais dependem muito do governo federal, e Dino pode acabar isolando o Maranhão”.

Prossegue o jornalista:

“Porém, o que move Dino é o desejo de se colocar desde já na corrida para 2022 como opção de esquerda. No PCdoB, ele é apontado como nome a ser trabalhado. Dino construiria do Maranhão uma proposta de governo que se contraponha ao modelo conservador que se instalará com Bolsonaro. Para isso, a ideia é colocá-lo como um crítico ativo do novo governo.”

“Se Flávio Dino conseguir se capitanear como opção, o cenário eleitoral de 2022 pode ter algo inédito: uma disputa de dois ex-juízes federais pelo Palácio do Planalto. O juiz Sérgio Moro é desde já tido como a opção eleitoral de Jair Bolsonaro, que declara ser contrário à reeleição e que, por coerência, não a disputará. ”

“Dino e Moro são evidências do maior protagonismo político que o Judiciário passou de fato a exercer no país nos últimos tempos. Para analistas, fruto do enfraquecimento do Executivo e do Legislativo diante dos vários casos de corrupção, que tiraram a força dos dois poderes. Como diz a máxima política: o poder desconhece vácuo.”

 

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias