Fechar
Buscar no Site

Com prisão de Moreira Franco, RJ tem seu 5º ex-governador preso

Em menos de três anos, todos os cinco ex-governadores que foram eleitos no Rio de Janeiro e estão vivos foram presos. Nesta quinta-feira (21), o também ex-ministro Moreira Franco foi preso durante uma fase da Lava Jato.
Além de Moreira Franco, Luiz Fernando Pezão, Sérgio Cabral, Anthony Garotinho e Rosinha Matheus também foram presos quando já não eram mais governadores do RJ.

Veja quem são os 5 ex-governadores presos:

1 – Moreira Franco

Moreira Franco foi preso no início da tarde desta quinta-feira (21), em mais uma fase da Lava Jato no Rio de Janeiro que também tinha como alvo o ex-presidente Michel Temer.
Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro.
A prisão de Temer e Moreira Franco tiveram como base a delação de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix. O empresário disse à Polícia Federal que pagou R$ 1 milhão em propina, a pedido do coronel João Baptista Lima Filho (amigo de Temer), do ex-ministro Moreira Franco e com o conhecimento do presidente Michel Temer. A Engevix fechou um contrato em um projeto da usina de Angra 3.

2 – Pezão foi preso em novembro de 2018, poucos dias antes do fim do seu mandato. Ele recebeu voz de prisão dos agentes da força-tarefa da Lava Jato no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado.

3 – Sérgio Cabral
Sérgio Cabral foi preso em novembro de 2016, suspeito de receber propina para a concessão de obras públicas. Cabral segue preso e está na penitenciária de Bangu 8. O ex-governador é condenado na Lava Jato e réu em 28 processos. As condenações de Cabral somam 198 anos e 8 meses de prisão. (Veja aqui todos os processos contra Cabral).

4 – Rosinha Garotinho
Rosinha Matheus foi presa junto com o marido, Anthony Garotinho, em novembro de 2017 por crimes eleitorais. Eles negam a prática do crime.

5 – Anthony Garotinho
Garotinho foi preso 3 vezes no período de um ano. A primeira, em 16 de novembro de 2016, na Operação Chequinho, que investiga um esquema de compra de votos envolvendo o programa social Cheque Cidadão na eleição municipal daquele ano.
A segunda prisão de Garotinho foi em setembro de 2017, quando foi condenado por fraude eleitoral. Na ocasião, o ex-governador cumpriu prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. A terceira prisão foi em novembro de 2017, junto com sua mulher, a também ex-governadora Rosinha Matheus.
Garotinho chegou a lançar sua candidatura ao governo do Rio de Janeiro nas eleições de 2018, mas o TSE barrou a candidatura. Candidato pelo PRP, Garotinho foi barrado com base na Lei da Ficha Limpa. (G1)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias