Fechar
Buscar no Site

Brasil pode voltar a ter ‘vida normal’ em outubro, projeta UBS

Foto: Reprodução

Se mantido o ritmo esperado de vacinação contra o coronavírus, o Brasil pode atingir algum tipo de normalidade já em outubro e ampliar a reabertura econômica. A projeção é de analistas do banco suíço UBS, em relatório divulgado a clientes nesta semana.

A estimativa foi feita com base em dados de hospitalizações, vacinação esperada para os próximos meses e pirâmide etária brasileira. A expectativa, segundo o relatório, é que o Brasil consiga reduzir drasticamente as infecções e casos graves de covid-19 uma vez que a população de 30 anos ou mais esteja imunizada – o que os analistas preveem que pode acontecer até outubro com base nas doses anunciadas pelo governo.

Essa fatia de imunizados seria menor do que os 70% ou mais que especialistas avaliam como ideal para atingir algum tipo de “imunidade de rebanho”. Para que o Brasil chegasse a 70% da população imunizada, teria de vacinar também o grupo de adultos a partir de 20 anos.

No entanto, o relatório do UBS calcula que pode ser possível chegar ao que classifica como “imunidade de rebanho efetiva” quando o Brasil tiver vacinado uma fatia muito menor de pessoas, somente o grupo dos 30 anos ou mais, ou 56% da população.

Embora represente pouco mais da metade da população, o grupo a partir de 30 anos é responsável por mais de 95% das mortes, hospitalizações e internações em UTI. É sabido também que a covid-19 tem se mostrado menos letal em adolescentes e crianças.

“Assim, nomeamos a conquista da imunidade neste grupo [de 30 anos] e na população com mais de 60 anos como ‘imunidade efetiva’, permitindo que a atividade econômica se normalize”, escrevem os economistas Alexandre de Azara e Fabio Ramos, que assinam o relatório.

Até o momento, o Brasil vacinou com ao menos uma dose 17% da população, e pouco mais de 8,5% também com a segunda dose. Estão neste grupo sobretudo idosos acima de 70 anos e profissionais de saúde. Foram 54 milhões de doses aplicadas, segundo apuração do consórcio dos veículos de imprensa junto aos estados até a segunda-feira, 10.

Foram aplicadas no Brasil cerca de 16 milhões de doses por mês em março e abril. Mas, para estimar que haverá uma vacinação de todos os adultos de 30 anos até outubro, o UBS projeta um aumento significativo nesse número.

A aposta reside sobretudo nas entregas da vacina da AstraZeneca, hoje produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz, além de parcela enviada pelo consórcio internacional Covax. Até agora, a Coronavac responde por quase oito em cada dez doses distribuídas no Brasil até o fim de abril.

Pelos cálculos do UBS, a vacina da AstraZeneca deve ultrapassar a Coronavac e se tornar a mais aplicada no Brasil já neste mês de maio. As projeções contam também com a chegada de doses compradas pelo governo federal de Pfizer e Johnson & Johnson — esta última, só a partir de outubro.

Não estão incluídas no cálculo futuras doses da vacina russa Sputinik V ou da indiana Covaxin, que ainda precisam ser aprovadas pela Anvisa. (Carolina Riveira – Revista Exame).

 

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias