Fechar
Buscar no Site

Bolsonaro escolhe Feder para o Ministério da Educação, anuncia Radar

Secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, é cotado para assumir o MEC Rodrigo Félix Leal/Divulgação Leia mais em: https://veja.abril.com.br/blog/radar/bolsonaro-escolhe-feder-para-o-ministerio-da-educacao/

Fontes do Planalto confirmaram, na manhã desta sexta-feira, 3, à coluna Radar, da Revista Veja, que o presidente Jair Bolsonaro teria escolhido Renato Feder para comandar o Ministério da Educação. Feder era o secretário da área no governo do Paraná, comandado por Ratinho Junior (PSD), e é visto por aliados do governo como um nome apaziguador, após a temporada de crises e confusões criadas por Abraham Weintraub na pasta.

Segundo a Veja, Feder é economista, formado pela Universidade de São Paulo (USP) e se diz um apaixonado pelo tema. Começou a dar aulas de matemática aos 16 anos para estudantes da sinagoga que frequentava (da época guarda o primeiro cheque que recebeu como pagamento). Também foi professor voluntário de turmas de jovens e adultos, e, mais tarde, acumulou a carreira de executivo com a de professor de administração e economia na universidade Mackenzie e de diretor voluntário de uma escola de ensino básico da comunidade judaica. “Sempre gostei de sala de aula, lousa, giz”, disse Feder a VEJA.

Antes de entrar no setor público, trabalhou no Serasa, quando ainda estudava economia. Aos 23 anos, tornou-se diretor da Multilaser, empresa de tecnologia herdada pelo amigo de infância, Alexandre Ostrowiecki. Juntos, dividiram o comando da companhia até 2017. Depois disso, e com a vida financeira resolvida — ele é um dos herdeiros do grupo Elgin –, Feder decidiu se dedicar apenas ao ramo da educação. Antes de assumir a secretaria de Educação do Paraná, em 2019, já havia debutado como assessor voluntário na Secretaria de Educação de São Paulo, durante o governo de Geraldo Alckmin (PSDB). (Com Radar, da Veja)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias