Fechar
Buscar no Site

Atraso no socorro da União agrava situação de Estados

Marco Aurelio Cardoso, da Fazenda do RS, diz que salários de abril terminarão de ser pagos até 12 de junho — Foto: Leo Pinheiro/Valor Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/06/04/atraso-no-socorro-da-uniao-agrava-situacao-de-estados.ghtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

A demora do socorro da União aos governos regionais comprometeu ainda mais o fluxo de caixa de Estados que já enfrentavam dificuldades financeiras antes da pandemia. A expectativa era de que a primeira parcela da ajuda federal viesse em maio, mas entrará nos cofres de Estados e municípios somente este mês.

O Rio Grande do Sul terminará de pagar os salários de abril dos servidores até 12 de junho. A folha de maio também começará a ser paga este mês, segundo o secretário de Fazenda do Estado, Marco Aurelio Cardoso. Em Minas Gerais, por enquanto, se assegura o pagamento até o dia 15 de servidores da saúde e da segurança pública, mas nem a ajuda federal ainda garante o salário dos demais servidores ou o repasse integral aos demais poderes, informa o secretário de governo do Estado, Mateus Simões.

No Rio Grande do Norte, onde o governo atual herdou salários em atraso da gestão anterior, houve pagamento em dia dos servidores em maio, mas entre os fornecedores foram priorizados os setores de saúde e segurança, diz o secretário de Tributação, Carlos Eduardo Xavier.

Segundo Simões, a expectativa do governo é de que até o dia 7 sejam transferidos para o caixa de Minas R$ 750 milhões, que é a primeira de quatro parcelas de um total de R$ 3 bilhões que cabe ao Estado do pacote de ajuda federal aos governadores. Simões diz que embora importante e necessário, esse primeiro aporte federal não cobre o buraco que o Estado tem em seu fluxo de caixa de junho, que é de aproximadamente R$ 1 bilhão. Isso, lembra, apesar de já terem sido contigenciados 49% dos gastos previstos para este ano em meio à pandemia. Minas gasta R$ 3,5 bilhões por mês com a folha de pagamento dos servidores.

Na avaliação do secretário de governo, o atraso com que a ajuda federal chega cria uma dificuldade a mais para o Estado, que já estava antes da pandemia em situação de desequilíbrio fiscal. Em maio e em abril o governo mineiro obteve receitas extras no total de R$ 1,78 bilhão que contribuíram para melhor o fluxo de caixa nos dois meses.

“A espera foi longa”, diz Cardoso, da Fazenda gaúcha, em relação ao socorro federal. Aprovado pelo Congresso no dia 6 de maio por meio do PLP 39/2020, o socorro federal foi sancionado e resultou na Lei Complementar 173, publicada no Diário Oficial no último dia 28.

O secretário destaca que não há data oficial para efetiva entrada de recursos do socorro, mas a expectativa é que demore cerca de dez dias contados a partir da publicação. Mesmo sem eles, o Estado terminará de pagar até o dia 12 a parcela de funcionários que ainda não recebeu os salários de abril, que foram quitados até a faixa de R$ 4 mil, o que representa 73% dos servidores. Se a ajuda federal chegar antes, a quitação será antecipada, diz Cardoso. A chegada de recursos federais também permitirá, segundo ele, iniciar em junho o pagamento dos salários devidos em maio, com uma primeira parcela de R$ 1,5 mil aos funcionários.

A ajuda federal, de R$ 500 milhões mensais de junho a setembro, ressalta o secretário, não será suficiente para cobrir toda a perda do Estado. Em abril, diz, foram recolhidos R$ 700 milhões a menos que o esperado. Em maio, a perda se aprofundou para cerca da R$ 850 milhões.

No Rio Grande do Norte, mesmo com a demora da ajuda federal, os salários de maio foram pagos conforme o cronograma divulgado para o ano, diz Xavier. O pagamento de fornecedores, porém, diz ele, priorizou as áreas de saúde e segurança e a pandemia também prejudicou o cronograma para continuar saldando em 2020 salários pendentes da gestão anterior.

Entre eles, lembra, o governo estadual conseguiu quitar os salários de novembro de 2018 e o décimo terceiro de 2017. Ainda não foram saldados, porém, os salários de dezembro de 2018 e o décimo terceiro do mesmo ano.

A frustração com a receita potiguar de ICMS e do Fundo de Participação dos Estados (FPE) foi de cerca de R$ 170 milhões em maio, diz o secretário, o que representa mais de 20% do esperado. Com o socorro da União, diz ele, o Estado irá “conseguir respirar” em junho. “No mês passado o quadro foi de asfixia. Praticamente só pagamos a folha”, conta, lembrando que o governo estadual reduziu em 18% os repasses aos demais poderes em abril e maio e o Estado não pagou as parcelas da dívida com a União, com base em liminar.

Outro Estado em que o acordo com os demais poderes foi essencial para garantir o pagamento de servidores e fornecedores em maio foi em Goiás, conta a secretária de Fazenda Cristiane Schmidt. Segundo ela, houve redução de 20% no repasse para despesas discricionárias em abril e maio.

A entrada da ajuda federal, em torno de R$ 285 milhões mensais, diz ela, será oportuna embora aquém das perdas de arrecadação em abril e maio. Para o Estado, de qualquer forma, diz ela, é importante a adesão pleiteada ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que, além de suspender automaticamente o pagamento da dívida com a União, permitiria criar um plano de pagamento de parte dos restos a pagar herdados da gestão anterior.

No Estado do Rio de Janeiro, que já está no Regime de Recuperação Fiscal (RRF), com base em revisão de contas realizada nos últimos dias, o novo secretário de Fazenda, Guilherme Mercês, garante o pagamento dos funcionários em dia, no próximo dia 15. Ele conta que uma revisão de receitas e despesas feitas no decorrer dos últimos dia melhorou levemente o cenário de perda de receitas para o ano.

A receita tributária prevista no orçamento para 2020, conta, de R$ 53 bilhões, havia caído para R$ 40 bilhões, sob os efeitos da pandemia. Com a revisão, subiu para R$ 42 bilhões. A receita com royalties de petróleo orçada em R$ 15 bilhões caiu para R$ 10 bilhões e com a revisão sobe para R$ 12 bilhões em razão da recente recuperação parcial de preços do barril.

A pequena recuperação de receita, diz ele, considera a reabertura limitada de algumas atividades no Estado a partir da semana que vem, como de restaurantes e comércio de rua.

A ajuda do governo federal é importante, diz, mas há, além da questão de “timing”, também a de volume. “O Estado esperava total de R$ 10 bilhões e virão R$ 2,5 bilhões.” Mas o governo estadual, diz ele, estuda medidas para obter receitas extras.

Entre elas, a renegociação da securitização de royalties ligada a operações de crédito tomadas com investidores estrangeiros entre 2014 e 2018. As captações ficaram conhecidas como Operação Delaware e, segundo Mercês, a renegociação da securitização pode resultar em receita adicional entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão. (Marta Watanabe e Marcos de Moura e Souza – Valor Econômico)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias