Fechar
Buscar no Site

Anderson Torres diz que vai interromper férias, voltar ao Brasil e se entregar à Justiça

Foto: Reprodução

Ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro teve prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

O ex-secretário da Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, afirmou nesta terça-feira, 10, em sua rede social, que vai interromper suas férias, voltar ao Brasil e se entregar à Justiça.
Torres teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), por omissão nos ataques e depredação a prédios dos três poderes em Brasília no domingo (8). O pedido foi feito pela Polícia Federal.

“Hoje, 1o, recebi notícia de que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou minha prisão e autorizou busca em minha residência. Tomei a decisão de interromper minhas férias e retornar ao Brasil. Irei me apresentar à justiça e cuidar da minha defesa”, afirmou Torres.

“Sempre pautei minhas ações pela ética e pela legalidade. Acredito na justiça brasileira e na força das instituições. Estou certo de que a verdade prevalecerá”, declarou.
Nesta tarde, viaturas da Polícia Federal foram vistas em frente à casa de Torres, em Brasília. Ele está de férias em Orlando, nos Estados Unidos, mesma cidade onde está o ex-presidente Jair Bolsonaro.
Anderson Torres foi ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro. Após deixar o cargo, com o fim do governo, ele reassumiu a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.
Ele era o responsável pela pasta quando alguns bolsonaristas invadiram os prédios do Congresso, do Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto.
Quem exonerou Torres foi Ibaneis Rocha, pouco antes de ser afastado do cargo de governador por ordem de Moraes, por 90 dias. O ministro entendeu que houve omissão das autoridades do DF nos atos de vandalismo.
Após os casos, Torres divulgou uma nota negando conivência nos atos e os classificando como “barbárie”.
Nomeação e polêmica – Antes de ser ministro do governo Bolsonaro, Anderson Torres foi secretário de Segurança Pública do DF, entre 2019 e 2021. Após deixar o governo federal, ele voltou ao cargo e foi nomeado por Ibaneis Rocha em 2 de janeiro, um dia após a posse.
Segundo apuração da colunista do g1 Andreia Sadi, o pedido para retornar à pasta partiu do próprio Anderson Torres, e causou reações em integrantes do governo Lula (PT) e até de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), já que o ex-ministro era considerado “homem forte” de Bolsonaro, e a escolha ocorreu em meio a uma escalada de tensões. (G1)

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias