Fechar
Buscar no Site

Agronegócio brasileiro volta a bater recorde de exportações

Foto: Reprodução

As exportações do agronegócio brasileiro continuam aquecidas em agosto. Renderam US$ 14,8 bilhões, 36,4% mais que no mesmo mês do ano passado, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura.

Segundo a Pasta, foi um novo recorde, influenciado pelos elevados preços das commodities no mercado internacional e pelo crescimento do volume de milho embarcado, que foi 3,2 milhões de toneladas maior.

As importações brasileiras no mês aumentaram 34,5% e somaram US$ 1,7 bilhão, também um valor recorde para a série histórica, iniciada em 1997. Dessa forma, o superávit setorial registrou alta de 36,4% e atingiu US$ 13,1 bilhões no mês passado.

Nas importações, o destaque foi o aumento de 58,6% das compras de fertilizantes, que somaram US$ 2,5 bilhões, derivado de um incremento de 96,6% nos preços médios e apesar de os volumes terem recuado 19,4%.

Em comunicado, o ministério reforçou que, embora tenha recuado 1,6% entre os meses de julho e agosto, o índice de preços de alimentos do Banco Mundial subiu 14,2% na comparação com agosto de 2021.

Soja na ponta – No que diz respeito às exportações, os embarques de soja e derivados continuaram na liderança da pauta do setor, com 34,2% de participação no total (US$ 5,07 bilhões). As exportações de soja em grão atingiram 6,1 milhões de toneladas ( queda de 6%), ou US$ 3,8 bilhões (alta de 20,8%), já que os preços médios subiram 28,5%, nos últimos doze meses.

“O preço médio de exportação da soja brasileira em agosto se encontrava em US$ 623 por tonelada: valor muito superior ao obtido em agosto de 2021, que foi de US$ 485 por tonelada”, disse o ministério.

A China foi o destino de 73,3% das exportações da matéria-prima, mesmo mantendo o volume de compras em 2,8 milhões de toneladas no mês.

Carnes – Os embarques brasileiros de carnes ultrapassaram pela primeira vez a “barreira mensal” de US$ 2,5 bilhões, atingindo a marca recorde de US$ 2,6 bilhões (23,4% mais que em agosto do ano passado). As vendas externas de carne bovina responderam por 52,6% do valor total exportado pelo segmento, com US$ 1,4 bilhão, uma cifra recorde, aumento de 8,7% no volume e 6,5% no preço médio.

Os embarques de carne de frango também foram recorde para meses de agosto, com US$ 902,28 milhões e incremento de 36,3% ante agosto de 2021. Já as exportações de carne suína renderam US$ 266,6 milhões, com avanço anual de 28,9%.

Milho – As exportações de milho alcançarem US$ 2,03 bilhões, e aumentou a coleção de recordes. Duas variáveis explicam o resultado: o volume recorde de 7,49 milhões de toneladas embarcadas e os elevados preços médios de exportação (US$ 271 por tonelada, 41,6% mais que em agosto de 2021), afirmou a Pasta. 

Outros – Entre os demais grupos de produtos mais exportados pelo agro brasileiro, o complexo sucroalcooleiro rendeu US$ 1,4 bilhão (+57,3%), com crescimento de 25% na quantidade exportada e 25,8% no preço médio de exportação. Já os embarques de produtos florestais registraram aumento de 13,2%, para US$ 1,25 bilhão.

Janeiro a agosto –  De janeiro a agosto, as exportações brasileiras do agro somaram o valor recorde de US$ 108,3 bilhões, o que representou um incremento de 29,8% em relação ao observado no mesmo período em 2021. O setor foi responsável por 48,1% das vendas externas totais brasileiras em 2022, 4 pontos percentuais acima de 2021.

As importações de produtos do setor também registraram expansão, de 13%, para US$ 11,29 bilhões. (Fernanda Pressinott – Valor Econômico).

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias