Fechar
Buscar no Site

Ação desastrada da PM-CE contra jogadores de sinuca repercute nacionalmente

Gutiely Araújo disse que não parou o carro porque ‘não sabia que era para parar e então os disparos começaram e nunca parava. Foi horrível!’

A ação desastrada de ao menos 17 PMs do Ceará, na madrugada de quarta (1º), que confundiram jogadores de sinuca da Paraíba, que iriam participar do 5º Campeonato Norte/Nordeste, em São Luís, com assaltantes, disparando contra o carro em que estavam e matando um deles – José Messias Guedes Oliveira, conhecido como Messias, de 35 anos – repercutiu nacionalmente nesta quinta (2).

Logo na abertura do Bom Dia Brasil, da Rede Globo, a apresentadora Ana Paula Araújo, falou sobre o episódio, que classificou de “revoltante”:

“A gente começa esta edição do Bom Dia Brasil com a história revoltante de uma abordagem policial que terminou com a morte de um inocente numa estrada do Ceará. Ele fazia parte de um grupo de jogadores de sinuca que iriam participar de um torneio. Equipamentos que eles levavam no carro foram confundidos com armas”.

A seguir a matéria do telejornal prossegue, com reportagem do jornalista Alessandro Torres, de Fortaleza, que explica que os quatro ‘cases’ (estojos para guardar os tacos de sinuca) que estavam no banco de trás do Toyota Corolla ocupado pelos jogadores foram confundidos com estojos que guardavam armas por um frentista, que comunicou o fato à PM.

O repórter também ouviu o jogador Gutiely Pereira de Araújo, 30 (que dirigia o Corolla, e não foi ferido):

“Não sei por que passou pela cabeça deles [as pessoas que atenderam o grupo no posto de combustíveis, em Antonina do Norte, perto de Campos Sales] ligar para a polícia falando que tinha quatro meliantes fortemente armados dentro de um carro. Eu não cheguei a ver os policiais militares. Só cheguei a ver uma viatura com a luz (giroflex) acesa no percurso normal. Aí no que não parei, até porque não sabia que era para parar, começamos a ser alvejados. Depois do primeiro disparo, não parava mais, não parava. Foi um negócio horrível, horrível, horrível!’.

Também estavam no Corolla os jogadores Wendel Félix Xavier e Josean Leite de Oliveira. Todos eram da cidade paraibana de Patos.

 

 

 

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias