Fechar
Buscar no Site

A pedido de Weverton, Senado Federal adere à campanha de combate ao suicídio

A pedido do senador Weverton, que atendeu a uma solicitação do Centro de Valorização da Vida, o Senado Federal vai aderir à Campanha Setembro Amarelo de prevenção ao suicídio.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, no Brasil, uma pessoa se mata a cada 46 minutos. Todos os dias 32 brasileiros tiram a própria vida, resultado da falta de prevenção que poderia ter poupado pelo menos 28 dessas pessoas. O suicídio é, hoje, a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no país. Entre os homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo mais comum; entre as mulheres, o oitavo.

“Solicitei ao presidente Davi Alcolumbre que ilumine o Congresso no mês de setembro com a cor amarela. É uma campanha importante na luta pela vida. A depressão é uma doença que age de forma silenciosa matando várias famílias brasileiras. Quando as pessoas percebem, muitas vezes, é tarde demais”, afirmou o parlamentar.

Para Weverton, um dos melhores caminhos para combater o problema é estimular as pessoas a falarem abertamente sobre a questão.

“Acredito que muitos desses casos poderiam ser evitados se conversássemos mais sobre este assunto. Nós precisamos tratar de forma mais natural um tema tão importante.  Não são 32 pessoas que estão morrendo por dia. São 32 famílias que vão junto”, explicou o senador.

O Senado vai iluminar a sua cúpula de amarelo de 8 a 14 de setembro.

Setembro Amarelo

O Setembro amarelo nasceu estimulado pelo IASP (Associação Internacional para Prevenção do Suicídio). Trata-se de uma ideia simples que, assim como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, visa, respectivamente, sensibilizar a população sobre os riscos do câncer de mama e das doenças masculinas com a iluminação de grandes símbolos das principais cidades com uma única cor, para chamar a atenção para o problema. A cor amarela foi escolhida para a campanha de prevenção do suicídio por representar a vida, a luz, em contraponto simbólico.

O conteúdo d'O INFORMANTE é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

mais / Notícias